E a hidratação?
Bem-Estar |  16 de outubro de 2015
hidrata

Quase um mês já da estação mais colorida do ano no hemisfério sul (milhas distante daqui haha) e o verão que se aproxima promete ser muito quente. Se compararmos com o inverno que tivemos esse ano no Brasil, com temperaturas chegando a 30 graus em pleno mês de agosto, já podemos imaginar.

 

Seja em dia de corrida ou durante os treinos, manter seu corpo hidratado é um dos fatores fundamentais para conseguir chegar aos seus objetivos, ou seja, ter o melhor aproveitamento do seu corpo. Eu costumava, principalmente, durante os treinos longos, não levar nenhum tipo de hidratação e, após minha suplementação com o pessoal da Vico Farma e acompanhamento com a nutricionista, entendi de vez a importância desse hábito. Comparei um treino de bike com e outro sem hidratação. Durante o treino não senti tanto o esgotamento do corpo, mas a diferença é visível na recuperação – entre se hidratar corretamente ou não.

 

O calor e a umidade relativa podem fazer com que o seu corpo diminua a capacidade de baixar a temperatura do corpo, para o manter “refrigerado”, isso porque a nossa pele entra em contato com as partículas quentes do ar. Isso pode influenciar negativamente a temperatura do seu core, fazendo que com você possa perder consideravelmente a função dos seus músculos. Além disso, uma outra alternativa para refrescar o seu corpo, caso as condições demandem, pode-se usar a própria água sobre o corpo, cabeça, ou então o próprio gelo – quem viu os atletas no mundial de IM em Kona colocando compressas de água gelada no corpo?

im kona

IM Kona 2015

 

Somente água é suficiente?

 

Claro que cada pessoa é uma e não podemos generalizar. Alguns componentes são perdidos enquanto suamos (eletrólitos) e precisam ser repostos, porém, a água sozinha não é suficiente. Com ajuda de profissionais é possível entender e montar o melhor repositor que atenda as necessidades do corpo de cada pessoa. Eu, por exemplo, utilizo um pré-treino e um pós-treino formulado de acordo com as minhas necessidades, e dentre esses suplementos o conhecido por muitos como VicoGás. A diferença é impressionante durante o treino e, especialmente, no pós-treino, porque a recuperação é muito mais rápida. Mas é importante evitar os exageros, claro. Além disso, eu consumo géis e água – água sempre, independente de treino ou não.

 

Falando em excessos, assim como é importante consumir eletrólitos e água, sem dúvidas, é muito importante prever a quantidade correta. Isso porque um consumo exagerado de eletrólitos, por exemplo, irá resultar em uma baixa absorção desses componentes (corpo estará “saturado”). Já em um consumo abaixo do necessário, você não atenderá a reposição necessária pelo corpo, não sentindo muito os efeitos da mesma. De forma geral, indica-se um consumo de aproximadamente 500mL de água na primeira hora e um pouco a cada tempo para otimizar a absorção. Da mesma forma, não se deixar para fazer hidratação muito tarde, pois o seu corpo pode não reverter a situação rapidamente.

 

Após o treino e/ou competição a hidratação deve continuar! Eu costumava tomar leite desnatado bem geladinho. Alguns riam, outros diziam que me faria muito mal. Mas adorei nesse post do Richar Rollinson (aonde busquei a maioria das info para montar o post) que pesquisas apontam o leite como um ponto positivo. Sempre pensei nos componentes do leite: açucar, proteína, protássio, etc. Quem tiver interesse o site que consta a pesquisa no NRC Research PressBem interessante, pois faz uma comparação com um repositor bastante usado e produtos como leite de vaca, leite de soja e Sustagen.

 

É fundamental que cada atleta encontre o que funciona melhor para si, assim como testar todas as maneiras de reposição em treinos e não em competições importantes. Não queremos efeitos adversos enquanto corremos. Um truque legal é sempre carregar uma carrafinha de água, aonde for, e criar metas. Além de, durante o treino, combinar com algum amigo e fazer uma pausa para água. Vale a pena, não custa muito, e é um hábito que se tornará imperceptível ao passar do tempo.


Esse post foi baseado em publicação feita pelo site Training Peaks, pelo coach da CPT cycling (www.cptcycling.co.uk ), Richard Rollinson.

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *