Os 10 quase 11k
Provas |  28 de setembro de 2015
Patifim

Um final de semana memorável… Alguns amigos completando sua primeira maratona, eu voltando com as provas e minha primeira prova aqui no Canadá. E o gostinho foi de vitória!

 

Quando tenho alguma prova em foco, algum novo desafio, a sensação é que os treinos começam a ter um outro sentido. Muitas vezes pensamos duas vezes antes de faltar um treino porque está chovendo, porque está com sono, porque tem que estudar, porque, porque, porque… Sim, isso acontece com todo mundo. E não teve uma vez sequer que deixei um desses “porques” de lado que cheguei em casa triste/insatisfeita. E são esses treinos que dão suporte no pré e pós competição.

 

Precisei de alguns dias para me organizar para essa mudança que, querendo ou não, mexe com o físico e psicológico. Uma nova casa, rotina, comida, lugares, clima, entre tantos outros ares… Preferi me desafiar em alguma corrida mais curta para melhorar meu tempo e meu corpo.

 

A corrida era beneficente – mais um motivo para participar. Contudo, não foi uma prova com 1mil, 2mil pessoas e aconteceu em 3 cidades ao mesmo tempo – Saskatoon, Edmonton e Calgary. Para mim não estava importando quantas eram, quem estava na frente ou atrás de mim, a competição era comigo mesma. Era enfrentar o cansaço de uma semana bastante agitada, com poucas horas de sono e uma tpm única, pura e duradoura – hahahaha – lê-se com muito chocolate e variações de humor, e uma pedalada no dia anterior a uma distância até então nova para mim – passei dos 70km.

 

Somando a tudo isso, o vento contra, a sensação térmica de -2 graus, e um coraçãozinho batendo quente, forte e ansioso. Borboletas no estômago era pouco para aquela sensação pré-largada. Do outro lado, a mente calma, últimas instruções do Coach pelo celular, música alta para aquecer bem o corpo e encarar o frio – que realmente esqueci com a adrenalina dos primeiros quilômetros.

 

O plano era terminar abaixo do meu PR (personal record) para 10km de pouco mais de 51 minutos, nem que fosse 50 minutos e 59 segundos. O caminho todo em meio as trilhas que eles tem na beira do rio que corta a cidade, atravessando de um lado ao outro pelas pontes. Deu para curtir a natureza, ver as cores da estação, ouvir a água e sentir (muito bem) o vento.

 

No percurso, algumas pequenas descidas e subidas, escadas para subir e descer para chegar até a ponte, o que me fez perder um pouco de velocidade. Assim com o típico tênis desamarrado, que acontece nas melhores famílias. E fui seguindo meu pace entre 5:00 e 5:10min/km, a cada soprada de vento mais forte sentia uma força psicológica dentro de mim mandando minhas pernas continuarem e dizendo que ia conseguir. Foi assim até o final.

 

pati3-1

 

Na linha de chegada, também, achei que não haveria tanta animação, nem mesmo as pessoas que estava acostumada encontrar, ou a hidratação sempre tão esperada da equipe TSK. Para minha surpresa, minha família canadense, o cachorro e uma amiga estavam me esperando!!! No celular, várias mensagens de incentivo e energias positivas – isso realmente é muito importante – vindos de pessoas importantes. E o pace? Foi de respirar aliviada, 5:05, bati meus 51 minutos para os 10km, por pouco. No total? 55minutos e 19 segundos (foram 10.9km). No geral? Segundo lugar geral feminino e primeira na categoria 20-29 anos, mas a vitória já era grande e minha!

 

Captura de Tela 2015-09-30 às 10.15.34

 

Já estou pesquisando a próxima corrida, essa sensação de cruzar a linha de chegada é viciante! Acalma a mente e faz tudo ter mais sentido, o esporte tem mudado a minha vida a cada treino, a cada prova, me fazendo encontrar mais adeptos e incentivar outros tantos – a melhor parte.

 

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *