Overtraining: melhor prevenir!
Bem-Estar |  13 de outubro de 2015
overtraining

Tenho até medo de começar o post falando essa palavra (vai que pega, né?), mas quem nunca pensou ou ouviu falar de overtraining? Esse termo assombra atletas e treinadores constantemente. Basicamente, o overtraining acontece quando os músculos não se recuperam totalmente dos desgastes causados no treinamento e o sistema nervoso muda para um estado de estresse. Como forma preventiva, os coaches devem fazer com que seus atletas desacelerem o suficiente para mantê-los distante dessa zona indesejada, onde o corpo atingiu seus limites, para que possa se adaptar e recuperar. Em outras palavras, o método indicado é o descanso (total) ou diminuir a carga de treinamento.

 

Esse final de semana fui surpreendida por algumas dores, não pelo volume de treinos, pois tenho seguido meus limites bem certinho. Mas em épocas que estou mais estressada, parece que elas afloram (hahaha) e não como uma desculpa para não treinar, mas um aviso para segurar o ritmo. E, por isso, uma conversa franca com seu treinador é fundamental! E, como esperava, o coach Vinicius não pensou duas vezes e sugeriu segurar o ritmo, pediu para eu controlar a ansiedade e tensão, para que pudesse me recuperar bem para focar na próxima corrida (mês que vem) e sem causar nenhum tipo de dano mais grave ao meu corpo.

 

Alguns estudos apontaram já que atletas de alta performance (claro que não é o meu caso hahaha) quando submetidos a alguns dias sem treinamento, apresentaram variações no humor e sinais de comportamento de pessoas com depressão (efeito biopsicológico). Ainda, que esse corte total das atividades gera um estresse negativo em cima do atleta, causando essas alterações e não permitindo que o descanso seja usado 100% para recuperação – pois o corpo vai continuar estressado.

 

Ao invés disso, é preferível restaurar um fluxo natural de estresse e recuperação no atleta. Como isso pode ser feito? A revista Runner’s World listou algumas alternativas que podem ser aplicadas para fazer esse descanso ser mais “natural” ao atleta:

 

* Treinar de forma diferente
O ato de realizar sempre o mesmo tipo ou padrão de treino aumenta a probabilidade de overtraining. A monotonia pode criar uma falta de estímulo físico e mental. Por isso, um treino diferente, como um novo local de treinamento, podem ajudar bastante. Até mesmo, deixar de lado um intervalado restrito para um fartlek de fluxo livre. Entre outras variações que podem ocorrer no planejamento dos treinamentos semanais.

 

* Treinos ao ar livre
Um estudo publicado na British Journal of Sports Medicine, mostrou que exercícios ao ar livre tiveram um grande impacto relacionado a recuperação/restauração da força de vontade dos atletas, criando um estado de recuperação positiva. Não importa como, basta estar fora já ajuda o atleta a colocá-lo em um lugar melhor para se recuperar. E faz total sentido, lembro dos treinos que fazíamos juntos na lagoa ou na rua, toda galera TSK, passava o tempo e os quilômetros sem notar. Fico me perguntando as vezes como vai ser meus queridinhos treinos ao ar livre com temperaturas batendo aos -40 graus, mas tenho certeza que vou achar um jeito!

 

arlivre

 

 

* Introduzir Mini-treinos

Outro estudo, no Journal of Sports Science and Medicine, mostrou que overtraining estava relacionado com uma carga alta e baixa formação, o que significa que aqueles que treinaram muito fácil, também, mostraram sinais de stress. Para combater isso, introduzir mini-treinos pode ser uma alternativa. Por exemplo, em um treino intervalado, que seria normalmente 10 x 400m em 75 segundos, fazer 6 x 400m no mesmo ritmo. Ao reduzir o volume do treino e manter a intensidade, o atleta ainda tem um pequeno estresse fisiológico sem causar maiores danos físicos ou mentais.

 

atletismo

 

O que acharam?
É melhor se cuidar para que essa “assombração” não bata na porta de nenhum de nós. É muito importante conversar com seu treinador, seguir todas as instruções e não deixar acumular treinos na planilha – tentando fazer 5 dias em um – também. Foco, dedicação e determinação ajudam e muito, não custa aplicar essas pequenas dicas para fazer cada dia um trabalho melhor, sem comprometer o corpo e a mente.

 

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *