ABC do triathlon
Dicas |  15 de maio de 2015
triathlon

Gente!! Que demais!
Hoje vi no site do MundoTri (que sempre tem postagens incríveis) um Glossário do Triathlon. Muita gente tem dificuldade com os vários nomes, alguns mais técnicos e outros desconhecidos… e isso é MUITO comum. E não é só para triathlon que ouvirmos esses termos, vale para natação, pedal, corrida, etc. Confere aí:

Aquathlon – competição de natação + corrida, sem ciclismo.

Área de transição – local onde as bikes permanecem durante a prova, antes e depois do ciclismo, e onde os atletas podem se trocar e vestir o material a-dequado para a troca de modalidade.

Brick ou combinado – seção de treino na qual se combina mais de um esporte. Também chamado de treino de transição. O mais comum é pedalar e depois correr.

Boia – item que deve ser contornado durante a natação, é seu “farol” para guiá-lo em águas abertas.

BPM – ver frequência cardíaca.

Cadência – número de rotações por minuto (RPM) de sua perna durante a pedala. Triatletas, em geral, pedalam de 70 a 90 RPM.

Câmbio dianteiro – controla as marchas das coroas.

Câmbio traseiro – controla as marchas do pinhão ou cassete.

Canote – tubo que liga o quadro da bicicleta ao selim.

Capacete aero – capacete específico para provas sem vácuo, que melhoram o desempenho aerodinâmico.

Clincher – tipo de roda que precisa de um pneu e uma câmara separada em seu interior.

Clip ou aerobar – Peça onde se apoia o braço sobre o guidão da bicicleta, permitindo ao triatleta ficar em uma posição mais aerodinâmica e confortável.

CORE – conjunto de músculos que fornecem estabilidade e força para todo o corpo. Envolve o abdômen, glúteos e lombar.

Creme chamois – tipo de creme utilizado nas partes íntimas, nas bermudas de ciclismo, para aliviar dores, fricção e assaduras. Muito recomendando para iniciantes.

Desidratação – estado de redução nos fluidos do organismo. Se for acima de 2% do peso corporal pode gerar queda na performance e problemas de saúde graves. Uma grande preocupação de triatletas de média e longa distância, por isso a ingestão constante de líquidos nesse tipo de prova.

Disco – também conhecida como “roda fechada”, é a roda onde não se passa vento. É mais rápida, mas somente se você consegue pedalar acima dos 36km/h. Como ela gera muito vento lateral, pode fazer atletas mais leves caírem, por isso é recomendada a atletas com mais de 75kg:

Esteira – acontece quando o atleta nada logo atrás de outro atleta, se aprovei-tando do menor arrasto hidrodinâmico, o que o faz poupar energias para as demais modalidades da prova.

FC – Frequência cardíaca, medida em batimentos por minuto BPM

Fartlek – método sueco de treinamento que envolve intervalos de alta intensidade seguidos de intervalos de baixa intensidade e várias repetições.

Frequência cardíaca máxima – normalmente estimada pela fórmula: 220 (-) idade. Assim, um indivíduo de 30 ano terá a frequência cardíaca máxima em torno de 190BPM. Podendo variar em cada indivíduo.

 Giro – treino de pedal leve, usado para recuperação.

GPS – relógio com conexão via satélite para marcação de ritmo e velocidade.

Intervalado – tipo de treinamento onde se alterna descanso e esforço.

Ironman – competição envolvendo 3.800m de natação, 180km de ciclismo e mais 42km de corrida (maratona). O tempo limite para completá-lo é de 17 horas.

Ironman 70.3 – marca que representa as provas de meio Ironman da WTC. 70.3 é a soma das distâncias das três modalidades da prova em milhas. No Ironman, essa soma é de 140.6 milhas.

ITU – International Triathlon Union, organização que regulamenta o Triathlon olímpico em todo o mundo.

Jantar de massas – servido uma ou duas noites antes da prova, é um jantar onde os triatletas, além de confraternizarem, ingerem mais carboidratos do que o normal, visando reabastecer as reservas musculares.

Kona – cidade na Grande Ilha do Havaí onde acontece o Mundial de Ironman.

Limiar de lactato – limite no qual você consegue manter a maior velocidade possível por longos períodos (mais de 30 minutos) sem acúmulo de ácido lático no sangue (causador de fadiga muscular).

Meio-Ironman – competição envolvendo a metade de um Ironman, ou seja, 1,9km de natação, 90km de ciclismo e 21km de corrida (meia maratona).

Metabolismo basal – quantidade de calorias que você gasta para se manter vivo, sem fazer esportes. Quanto maior a sua massa magra e mais treinado, maior tende a ser esse metabolismo.

Pace – o mesmo que ritmo. Na corrida se mede em “tempo por quilômetro”, ou seja, o tempo gasto para percorrer 1km. Por exemplo: 5:45/km. Na natação, o pace é dado em “tempo por 100m”, em outras palavras, o tempo gasto para se deslocar 100 metros na água. Na bike, em geral, não se utiliza pace, mas sim a marcação em km/h.

Pelotão – grupo de ciclistas pedalado juntos que se beneficiam do vácuo para aumentar a velocidade. É proibido em provas de longa distância e em algumas de curta distância sem vácuo.

Polimento – Fase do treinamento onde o volume e a intensidade são diminuídos e o atleta se recupera para estar a 100% de suas capacidades no dia da prova.

Rolo – equipamento para treinos indoor de ciclismo que é encaixado à roda traseira, permitindo o treino estacionário com sua própria bike.

Roupa de borracha ou neoprene – ver wetsuit.

Selim – o banco da bicicleta.

Simpósio técnico (ou congresso técnico ou race briefing) –  palestra dada pelos organizadores antes da prova ara explicar as regras, percurso etc.

T1 – Primeira transição. Nas provas de Triathlon, o espaço desde que saímos da água até começarmos a pedalar.

T2 – Segunda transição. Após o término da etapa de ciclismo e antes do início da corrida.

Taquinho – peça presa à sapatilha que permite “clipar” o pé ao pedal, assim pode-se fazer força também quando se puxa os pés para cima:

Time Trial – Contrarrelógio. Consiste em pedalar o mais rápido possível durante uma certa distância.

Touca – nas provas é fornecida pela organização. Usada em diversas cores, serve para identificar atletas de diferentes categorias.

Triathlon Olímpico – também chamado de Triathlon standard, se refere às distâncias do Triathlon nas olimpíadas: 1,5km de natação, 40km de ciclismo e 10km de corrida.

Trote – treino de corrida leve, usado para recuperação.

Tubular – Pneus que se grudam diretamente no aro da roda, com a câmara costurada em seu interior.

Vácuo – para poupar energia durante o ciclismo, um atleta fica atrás de outro atleta, diminuindo o arrasto do vento. Nas provas olímpicas, é permitido entre os profissionais. Como regra geral, não é permitido para amadores, salvo quando explicitamente contrário. Em provas longas é terminantemente proibido.

VO2 Máximo – O volume máximo de oxi-gênio que pode ser usado por um atleta durante o exercício.

Wetsuit – Também conhecido como roupa de borracha ou neoprene, é usado na natação quando a água está abaixo de determinada temperatura (em geral, 23 graus). Aumenta a flutuabilidade do atleta.

WTC – World Triathlon Corporation: empresa americana detentora da marca Ironman e Ironman 70.3, que também organiza esses circuitos por todo o mundo.

 

Agora sim já dá para ficar por dentro de todos os papos entre os atletas. :D

(As definições acima são uma cópia da postagem do site MundoTri)

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *