Destaque |  15 de junho de 2017
Erdinger-chegada

Em meio a tantos treinos, tantos quilômetros, muita gente sabe que eu não abro mão da minha cervejinha semanal. Amor que começou desde meu primeiro ano de faculdade quando ainda existiam poucas marcas de cerveja artesal e a variedade de cerveja importada era pouca ou de difícil acesso – ainda mais para quem mora em uma cidade no interior como eu. Mas, como todo mundo sabe, o ácool pode ser um pouco prejudicial ao rendimento, especialmente, no esporte. Existem muitos estudos sobre a ideia de “tomar uma cervejinha” após o treino e seus efeitos. Alguns são positivos, dizendo que a cerveja tem um poder anti-oxidante que pode ajudar na recuperação e também grande quantidade de água que ajuda na hidratação; outros indicam que a cerveja por conter álcool provoca a desidratação e também liberação de composto “tóxicos” – não, gente, ninguém vai morrer por tomar uma cervejinha, toda calma nessa hora!

Mas, para aqueles que são bem caxias e gostam do 8 ou 80 – ou toma 1 caixa ou não toma nenhuma haha – a boa notícia é que a indústria de bebidas tem evoluído e se aperfeiçoado bastante para atender ao paladar do consumidor. E por conta disso hoje há várias marcas disponíveis no mercado das cervejas sem álcool.

Mas como assim: SEM ÁLCOOL? Eu sei, sempre tive um pouco de preconceito. Mas a vida dá voltas haha e hoje estou tomando uma medicação que não permite que eu beba – ou melhor, é aconselhável não beber. E adivinha? Tive que cerder, afinal, parecia que Todo o mundo a minha volta estava abrindo uma cerveja ao mesmo tempo hahaha No Brasil, a legislação prevê que para ser considerada não-alcoólica a bebida pode ter, no máximo, 0,5% de ABV.

Uma outra vantagem é a baixa caloria da bebida, por exemplo, uma pilsen com álcool tem em média 50 kcal a cada 100 mL (aproximadamente 180kcal por Long neck de 355 mL), já uma cerveja sem álcool possui, geralmente, a metade dessas calorias. Contudo, possuem uma maior quantidade de carboidratos (praticamente o dobro).

Para facilitar um pouco, fiz uma seleção de algumas cervejas mais conhecidas, brasileiras e importadas. Particularmente, as nacionais eu não provei (acho que só a Brahma) e aqui no Canadá temos mais acesso às importadas por um preço bem acessível e podendo comprar no Mercado :D (sim bebida alcoólica aqui só é vendida em lojas próprias para bebidas alcoólicas)

NACIONAIS

Brahma 0.0% - É considerada a melhor cerveja nacional, cor clara, sabor mais adocicado. Ela passa por um processo de retirada do álcool no final do processo de produção. Preço R$ 2,50 a R$ 3,00. Disponível em lata e long neck.

Itaipava 0,0% – Outra opção nacional sem álcool é a Itaipava 0,0%. Segundo avaliador top 500 do site Brejas: apresenta com tonalidade amarela, translúcida, média formação de espuma, de curta duração. O aroma (bem discreto) remetem a cereais. Corpo levíssimo, Amargor bem leve, dulçor não percebido, carbonatação alta. Drinkability média pra baixa. Não é a porcaria que eu estava esperando. Gostei do: “Num dia bem quente, estando bem gelada até vai”. Preço: R$ 2,50 a 3,50. Disponível em lata e long neck.

Nova Schin 0.0% – Segundo o site da Brasil Kirin, “no Concurso Internacional Beer Challenge, a Schin Zero Álcool recebeu uma medalha de bronze, entre 630 participantes de 30 países diferentes, das categorias 0% e 0,05 álcool.” Porém eles não especificam o ano em que isso ocorreu. Preço: R$ 2,09.

Bavaria 0,0% - Versão sem álcool da brasileira Bavaria, essa cerveja promete manter o sabor e o aroma da original com uma receita exclusiva. Preço R$ 2,45. Disponível em lata.

INTERNACIONAIS

São muitas e estão bem mais acessíveis no Brasil agora tendo uma grande variedade de marcas de vários países – como Alemanha, Espanha, e EUA. As internacionais eu tenho um pouco mais de conhecimento por estar tomando agora aqui no Canadá. As que experimentei foram: Erdinger Alkoholfrei, Beck’s Non-alcoholic, Budweiser non- alcoholic, e Grolsch non-alcoholic.

Beck’s Non-Alcoholic: A Beck’s é uma cerveja alemã com ABV de 0.3%. Na minha opinião ela lembra uma cerveja um pouco mais amarga, no estilo Heineken. Bastante refrescante e chega muito próximo a uma cerveja com álcool. Preço: CAD$ 3,00. Disponível em long neck 330 mL.

Grolsch Non-alcoholic: É uma cerveja holandesa com sabor distindo atenuado de lúpulo e refrescante. É produzida com um novo tipo de fermento que para a produção de álcool durante a fermentação. Assim, resulta em uma cerveja premium com paladar muito semelhante a Grolsch Premium Lager. Além disso, possui 24 kcal por 100 mL. Particularmente gostei bastante, achei mais carbonatada que a Beck’s e faz uma espuma um pouco mais volumosa, mas que demora pouco tempo para baixar. Preço: CAD$ 6,00. Disponível em latas de 457 mL.

Paulaner Hefe-Weiss Alkoholfrei – É a versão sem álcool de um clássico das Weizenbiers alemãs, a Paulaner Hefe-Weiss Alkoholfrei. A cerveja de trigo é leve, turva, frutada – mantendo os aromas de cravo e banana esperados do estilo. Além disso, é sutilmente amarga, sendo que nenhum conservante artificial é utilizado. Ideal para refeições leves como peixes, aves e saladas. Preço R$ 24,00 a 28,00. Disponível em garrafa 500 mL

Erdinger Alkoholfrei – É uma das mais conhecidas cervejas sem álcool no mercado, a Erdinger Alkoholfrei é uma Weissbier alemã. Ela possui 0,4% de ABV, é turva e possui aromas que lembram cereais cozidos. Devido às suas características isotônicas, essa cerveja é usada por algumas pessoas após atividades físicas. Aliás, são patrocinadores de provas como o Ultraman e também o 5150 do Ironman (prova que fiz ano passado). Preço: R$ 18,00 (long neck 355 mL) e R$ 20,00 (lata 500 mL). Aqui o preço dela nos bares (não encontre no mercado ainda) é na faixa dos CAD$ 6,50.

Estrella Galicia Sem Álcool – A Espanha é um dos países que mais consomem cervejas sem álcool no mundo. A cerveja é elaborada através da desalcoolização da cerveja Estrella Galicia tradicional.Sua coloração é âmbar claro, e percebe-se no paladar o amargor característico. É uma cerveja refrescante, com leves notas cítricas, mantendo o aroma e o corpo da cerveja com álcool. Preço R$

Clausthaler Classic – Essa ainda não provei, mas está na minha lista. É  uma alemã considerada uma das melhores Lagers sem álcool do mundo. É uma bebida com sabor muito próximo das tradicionais do país e segue a Lei de Pureza da Cerveja Alemã em sua fabricação. A bebida também tem versões com adição de sucos de frutas como limão e laranja, com 0,2% de ABV. Preço R$ 13,90, aqui encontro na média de CAD$3,00. Disponível em long neck de 330 mL.

Budweiser Prohibition Brew: O Canadá foi o primeiro país a receber a versão sem álcool da Budweiser Prohibition Brew. Segundo a marca, a nova opção é indicada para almoços de trabalho e para quem é selecionado como motorista da rodada. Eles prometem que a cerveja tenha o mesmo gosto da versão com álcool, porém, achei muito distante. Além de ser bem doce e com um after taste esquisito. Preço: CAD$ 3,00. Disponível em latas 350 mL.

 

Com certeza existe uma grande variedade no mundo das cervejas sem-álcool, porém, não consigo fazer um reunindo todas as marcas.

Ainda, para quem quer beber cerveja com baixa calorias existem opções como a Skol Ultra que já fiz um post sobre (confere aqui).

Por fim, a minha opinião?! Depois de nadar por 30min, pedalar por 2 horas, correr 1 hora e ter seguido o planejamento de suplementação e hidratação… Uma cervejinha não vai matar ninguém, né?! Assim como um chocolate no dia de crise ou tpm, ou o morango com leite condensado na transição de um pedal pesado para a corrida. Contudo, se você estiver dirigindo ou tomando alguma medicação, realmente, tomar uma cervejinha sem álcool ainda mata as “bichas”no estômago e faz você ficar de bem com o volante ou tratamento.

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente
Novidades |  09 de junho de 2017
cervelo-R

Vocês viram o novo vídeo que saiu sobre as novas Cérvelo R-series? Foi criado pela Cut Media’s que filmou durante Italian Dolomites, Paris Roubaix e Scotland.

cervelo-R

Se quiser saber um pouco mais das novidades dos novos modelos, segue o vídeo que o canal GNC fez sobre elas.

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente
Dicas |  16 de abril de 2017
Hemelswater2

Sempre me impressiono com projetos “amigos do meio ambiente” ou que reutilizem resíduos, o que seria disperdício – meus projetos de Iniciação Científica foram nesse sentido, inclusive. Chama ainda mais atenção se é um projeto legal envolvendo cerveja, né? Um amorzinho que bate forte no meu peito hahaha. Pois é meus amigos, a notícia não é tão nova, mas achei interessante: um projeto holandês para fabricação de cerveja utilizando a água da chuva.

beer-rain1

Praticamente um sonho: uma cerveja que (por um detalhe) quase cai do céu! hahaha Como diz a figura “feita no paraíso”. Brincadeiras a parte, a Holanda tem um período de chuvas bem acentuado e o governo possui programas de incentivo ao aproveitamento dessa água. Com essa “desculpa” um grupo de empresários viu uma oportunidade para fazer negócio e, o melhor, cerveja. O nome da cerveja? Hemelswater – água da chuva em holandês.

O lançamento (em 2016) foi na cervejaria De Prael, em Amsterdã, em que amantes de cerveja compareceram para uma degustação gratuita de Hemelswater: code blond (inspirada nas cores dos avisos meteorológicos holandeses), abv 5,7%,  produzida com água de chuva ultrafiltrada, cevada e trigo orgânicos, lúpulo e levedura. Sengundo o co-fundador Hoebe, a Hemelswater é uma blond amarga, como uma IPA, frutada e suave.

Como foi feito o projeto: Hoebe, juntamente com um grupo de quatro estudantes e um pesquisador da iniciativa de desenvolvimento de inicialização Medialab Amsterdã, configurou dois tanques enormes nos terrenos da Universidade de Amesterdã de Ciências Aplicadas. Além disso, a cervejaria Prael, no centro de Amsterdã, concordou em ser parceira nesse projeto.

Em apenas dois finais de semana de chuva forte a equipe conseguiu empurrar 1.000 litros de água da chuva para a cervejaria Prael. A água é tratada com um sistema de filtração bacteriana (que não foi muito bem especificado pelos sites em que procurei) e processo de fervura (também não passaram muita informação sobre como é feito) e, então, a água é utilizada para produção da cerveja. Com certeza eles devem fazer testes físico-químicos e microbiológicos periódicos seguindo a legislação, né? Ao menos espera-se haha.

 

hemelswater

A bebida é vendida por cerca de € 2 (R$ 6,50) a garrafa e pode ser comprada em tap nos restaurantes e bares da capital holandesa. (por cerca de € 4,00). No site Rate Beer, ela está classificada com nota 2.9 em uma escala de 5.0. Não custa experimentar caso viajar por Amsterdã, né?

Um vídeo que, mesmo em holandês, mostra um pouquinho do processo e a cervejaria em que ela é produzida.

Será que a moda vai pegar?

 

 

Fontes:

http://www.hemelswater.com/

https://amsterdamsmartcity.com/projects/hemelswater

https://www.theguardian.com/sustainable-business/2016/jul/10/rainwater-beer-amsterdam-hemelswater-rainfall-climate-change-de-prael-brewery

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente
Dicas |  24 de fevereiro de 2017
bike

Cada dia mais a bike tem sido adotada como meio de transporte entre as mais diversas profissões. Aqui em Saskatoon vejo gente com todos os tipos de bikes e roupas pedalando, o que é muito bacana. Contudo, algumas pessoas usam como fator limitante para utilizar a bike ter que vesti a roupa de pedal e então chegar ao trabalho e trocar de roupa, por exemplo. E, também, torna-se pouco confortável ou atrativo utilizar, por exemplo um terno, para pedalar.

Vi uma invenção que vai mudar um pouco esse conceito, aumentando a praticidade e segurança dos homens que precisam utilizar terno para trabalho e não largam mão de pedalar. Em vez dos shorts Lycra e camisetas apertadas comumente associadas com ciclistas, Owen Scott está oferecendo uma alternativa bem interessante para o empresário ciclista. Inspirado no Tour de France, Owen Scott Bespoke Tailors projetou um traje de ciclismo único para levar o ciclista de bicicleta sem se preocupar com a roupa para sala de reuniões.

Captura de Tela 2017-02-24 às 16.21.15

O revestimento do terno é o amarelo famoso da camisa do líder do Tour de France, com bolsos do casaco, colarinho, e barra da calça que podem ser dobrados para mostrar o amarelo fluorescente aumentando a visibilidade do ciclista na estrada.

Não apenas focando na visibilidade, o terno revolucionário possui algumas características práticas necessárias também, como a cava mais baixa para permitir o alcance extra do braço, e tem um sistema “built-in action” nos ombros que garante um maior conforto ao pedalar. Já a calça é mais estreita visando segurança do cicliclista.

Captura de Tela 2017-02-24 às 16.21.41

Sgundo diretor da Owen Scott, eles foram inspirados pela grande competição que é o Tour de France e com tantos homens de negócios optando pelas suas bikes. Dessa forma, eles procuraram projetar algo que combinasse com estilo de vida ativo, que fosse inteligente, contemporâneo e pudesse levar esse público diretamente para o ambiente de escritório. Além disso, o tecido utilizado foi construído para resistir ao desgaste em extremos de calor e umidade, mantendo sua forma perfeitamente, além de ser alinhado para a respirabilidade e conforto, com um fecho de botão para proteção contra o vento. E é terminado com “Nanobloc”, que forma uma resistência da mancha em torno das fibras do tecido, significando a sensação de maciez do pano não é comprometida. Ainda, está disponível em 36 cores diferentes, sendo que estima-se entrega do terno em quatro ou cinco semanas pós-encomenda e o preço médio é em torno dos $800.00.

E aí, será que a moda pega?

 

Fontes:

http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2704495/The-bespoke-suit-cycling-businessman-A-Lycra-free-journey-bike-boardroom.html

http://www.viralspell.com/with-this-suit-you-can-cycle-from-your-suburb-straight-into-the-boardroom-and-not-look-out-of-place/

http://www.bbc.com/news/uk-england-leeds-28483617

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente
Novidades |  21 de janeiro de 2017
FullSizeRender 51_Fotor

Galerinha, esse mês além de todas promessas e resoluções para 2017, ainda é meu aniversário! E o presente é de vocês que curtem, seguem, lêem o blog, e me incentivam cada dia mais. Com uma ótima parceria com a Vivo no Esporte vou sortear um kit (foto) maravilhoso com os produtos que tenho consumido aqui durante os treinos e que vão estar no meu “must have” para 2017, além de um vale compras na loja Vivo no Esporte! O kit contém:

- 2 Géis Água de Coco da Aoo

- 2 Barras de proteína Builder’s Clif

- 2 Barras “Clif Bar”

- 2 Hydration Drink Mix GU

- 1 Mio Liquid Water Enhance 

- 1 Cadarço elástico

- 1 Copo térmico da minha primeira prova no gelo de 2016 ( e que será a primeira em 2017 também)

- 1 Vale compras de R$100,00 (isso mesmo) na loja Vivo no Esporte para as compras acima de R$399,90 – o ganhador será direcionado para utilizar o seu cupom.

Como participar? Basta Clicar na Foto Oficial do Instagram (porque é ela que está cadastrada no site do sorteio) e seguir as instruções:

1) Seguir @patitozatti e @vivonoesporte_

2) Marcar TRÊS amigos nos comentários da Foto Oficial (não vale post de pets e afins)

3) Envio apenas para território nacional (Brasil)

4) O sorteio será realizado no dia 28/Jan às 2pm (Canadá) – portanto 6pm (Brasil)

Quanto mais amigos você marcar, maiores as chances de ganhar.

Boa sorte!!!

 

 

Gostou? Compartilha!
Facebook
Twitter
Comente
Página 1 de 612345...Última »